Nionoi @ Meias Marias

Hoje no Blog tenho o prazer de ter no Blog a Filipa do blog Nionoi.

Para quem não conhece, a Filipa é a referência nacional para quem quer aprender a tricotar em português. A Filipa ensina várias técnicas nos vídeos que publica semanalmente no blog e dá workshops presenciais em Lisboa.

Filipa, no teu blog partilhas dicas e truques de tricot. Quando começaste a tricotar? Lembraste do primeiro projeto de tricot que fizeste?

Comecei a tricotar à cerca de 4 anos. Apesar de ter começado a fazer crochet muito cedo, nunca gostei de tricotar porque a lã à volta do pescoço me incomodava imenso. Só quando aprendi a tricotar “no dedo” é que comecei a gostar de tricot e foi um instante até ficar absolutamente viciada. O meu primeiro projecto “a sério” foi um colete para a minha filha. Antes disso, fiz algumas mantinhas paras as bonecas da pequena onde fui treinando os pontos e a tensão na linha.

Assumes-te como tricotadeira ou para além do tricot há outras coisas que gostas de fazer?

Esta é difícil, porque sou absolutamente viciada em tricot, mas continuo a fazer crochet , a costurar e a divertir-me na cozinha. Sobretudo, adoro aprender coisas novas e sempre que vejo um projecto novo que me entusiasme faço, independentemente “da arte”.

És mãe. A tua filha é a tua inspiração para tricotar ou fazes com frequência projetos que não sejam para ela?

A minha filha é, sem dúvida, uma inspiração e comecei por tricotar para ela. Mas foi um instante até ter começado a tricotar para todas as amigas, irmãs, filhas das amigas, colegas da escolinha, etc…na verdade, só não tricoto para mim!

Qual foi o projeto que te deu mais prazer fazer? E porquê?

O que tenho nas agulhas agora mesmo! Este ano decidi que tinha de começar a tricotar para mim e inscrevi-me num “mistery knit along” da designer Ysolda Teague. Todo o desafio foi, e está a ser, giríssimo – vamos tricotando uma parte do xaile, sem conhecer o esquema e sem saber o que vem a seguir ou qual será o resultado final. Alem disso, o grau de dificuldade das técnicas foi aumentando (e eu adoro!) e temos um grupo de tricotadeiras fantástico para comentar todos os avanços. Estava habituada a experiencias de tricot bem mais solitárias e descobri que assim é bem mais divertido. Estou ansiosa por terminar e usar.

Se tivesses de eleger um projeto de tricot essencial para menina qual seria? E para menino?

Roupinha tricotadas, claro, e muitas! Para menina um vestido de trespasse, tipo cueiro (que dura imenso tempo até deixar de servir!)

E para menino, um conjunto de calça+casaco trespasse.

Tudo isto sem esquecer as botinhas de lã, claro!

Uma boa razão para as pessoas comprarem coisas feitas à mão é?

Existem imensas boas razões, mas destaco duas: o reconhecimento do trabalho e a qualidade.

Uma boa razão para as pessoas fazerem coisas à mão é?

Para mim a maior razão é o carinho, mas existem muitas mais, claro! Mas, não se pode comparar um casaco comprado numa qualquer loja (mesmo que na melhor!), com o casaco tricotado ao serão, pelas mãos da avó já enamorada pelo neto que vai nascer…

Uma coisa feita à mão que não pode faltar num enxoval de um bebé é?

Uma mantinha e botinhas de lã. Todos os bébés gostam de passar os primeiros dias “embrulhadinhos”, e uma manta feita à mão é como um abraço apertadinho, daqueles que nos aconchegam a alma. As botinhas de lã são ótimas para manter os pés quentinhos sem o incómodo dos sapatos.

Uma coisa que gostava de aprender a fazer é?

Ultimamente tenho muita vontade de bordar, gostava de aprender a bordar um bonito lenço de namorados. Mas, tenho sempre muito mais ideias que mãos!

Filipa, para terminar, e porque estamos a celebrar o aniversário do blog, gostava que partilhasses a tua receita de bolo preferido.

A Tarte de amêndoa da minha mãe

Ingredientes: Para a massa – 2ovos; 200gr manteiga temperatura ambiente; 200gr de açucar; 200gr de farinha com fermento; Leite q.b.; Para o creme: 50gr manteiga, 100gr açucar, 3 colheres de sopa de leite.

Bater os ovos inteiros com o açúcar e a manteiga até obter um creme esbranquiçado. Juntar a farinha e misturar. Se necessário, adicionar um pouco de leite para a massa ficar mais maleável. Levar ao forno aquecido, em forma untada e polvilhada, durante cerca de 20/30min (verificar a cozedura com um palito).

Entretanto preparar o creme: juntar num tachinho a manteiga, o açucar e o leite, e levar a lume brando até ficar cremoso.

Retirar a tarte do forno, espalhar a amêndoa por cima e cobrir com o creme de manteiga. Levar de novo ao forno até a amêndoa estar tostada.

Obrigada Filipa por teres deixado esta belíssima tarte em minha casa. Estava deliciosa! E claro, Obrigada por teres aceite o meu convite!

Tagged . Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *