Saídos da Concha @ Meias Marias

Hoje tenho o enorme prazer de ter aqui no Blog uma cara que de certeza que é vossa conhecida!

A Constança Cabral, do blog Saídos da Concha, é uma referência e uma fonte de inspiração e aceitou o convite de responder à mini entrevista que preparei para assinalar o segundo aniversário deste blog.

Peguem na vossa chávena de chá e acompanhem-nos nesta pequena conversa…

Constança, assumes-te como costureira ou para além da costura há outras coisas que gostas de fazer?

Estou longe de ser costureira! Sou apenas uma curiosa. Gosto de ir experimentando coisas novas e depois ir tentando aperfeiçoar as minhas técnicas… mas não passo de uma auto-ditacta (não que isso seja algo negativo, claro). Interesso-me por costura, tricot, bordados, arranjos de flores, bolos, roupa infantil, jardinagem, literatura, decoração de interiores e muito mais. Já me iniciei em algumas destas áreas, noutras nem por isso. Mas sei que estarão sempre no meu horizonte.

Quando começaste a coser? Lembraste do primeiro projeto de costura que fizeste?

Comecei a coser no final de 2006. A primeira coisa que fiz foi um saquinho em chita para guardar os meus colares e brincos.

És mãe. O teu filho é a tua inspiração para costurar ou fazes com frequência projetos que não sejam para ele?

A lista de coisas que quero fazer para ele é enorme, mas parece que ainda só concretizei 1/10. Já fiz roupa, babetes, um pouf, cortinados, um ou outro brinquedo… mas quero fazer muito mais!

Qual foi o projeto que te deu mais prazer fazer? E porquê?

Uhm… não sei responder a isto. Alguns projectos são muito demorados (acolchoar um quilt à mão ou o mapa de Portugal que fiz em hexágonos) mas, como podem ser feitos ao serão enquanto vejo um filme, custam menos. E o resultado compensa!

Se tivesses de eleger um projeto de costura essencial para menino qual seria? E para menina?

Acho que um quilt é absolutamente essencial, seja para rapaz ou rapariga. Pode ser usado na cama, na sala, em passeio, como tapete de brincadeiras… e fica para a vida toda.

Uma boa razão para as pessoas comprarem coisas feitas à mão é?

Primeiro que tudo, a peça não é anónima: sabemos quem a fez. Depois, feito à mão é normalmente sinónimo de feito com tempo e qualidade. E originalidade!

Uma boa razão para as pessoas fazerem coisas à mão é?

Perceber como são feitas as coisas, aprender técnicas novas e ter muito orgulho no produto final.

Uma coisa feita à mão que não pode faltar num enxoval de um bebé é?

Um casaquinho tricotado em pura lã.

Uma coisa que gostava de aprender a fazer é?

Quero aprender a fazer moldes de costura.

Constança, para terminar, e porque estamos a celebrar o aniversário do blog, gostava que partilhasses a tua receita de bolo preferido.

O meu bolo preferido é, sem sombra de dúvida, o pão-de-ló!

Podem encontrar a receita do bolo da Constança aqui!

Obrigada Constança, foi um prazer poder contar contigo!

2 Anos de Meias Marias

D24_Self_Portrait_2

Há dois anos que escrevo neste blog e é altura de me conheceres um pouco melhor. Hoje quero partilhar contigo 22 coisas completamente aleatórias sobre mim, que não chegam para me definir, mas que fazem parte daquilo que sou.

1. O meu signo é Capricórnio e o meu ascendente é Balança o que faz de mim uma pessoa… que tem dias que roça o bipolar!

2. Sou gulosa. Não, sou a gulodice em pessoa, e tenho uma obsessão por gomas.

3. Gosto muito de dormir, embora raramente me deixem!

4. Desde que me lembro de mim que sempre quis ser… mãe, e de 5.

5. Aos 6 anos queria ser astronauta e logo depois veterinária.

6. Gosto de cães grandes, quanto maiores melhor.

7. Gosto muito de gatos mas a minha mente eclipsa-se ao fim de um tempo e só me apetece chateá-los!

8. Gosto muito de ler e leio muito depressa. Gosto tanto de ler que na agitação dos dias dou-me por feliz se ler uma história infantil antes de deitar as miúdas.

9. Há duas pessoas na minha vida a quem eu não preciso de dizer nada.

10. Sou uma pessoa muito direta e frontal, sem jeito para conversa de circunstância e por isso, hà quem me ache arrogante.

11. Custa-me… que algumas pessoas deixem de fazer parte da minha vida… mas os caminhos divergem e o que tem de ser tem de ser.

12. Acredito no Karma, acredito que pensamentos positivos geram acontecimentos positivos, e acredito que tudo o que fazemos retornará a nós, bom e mau.

13. Gosto de filmes de terror e sempre que fico em hotéis fico à espera de ver aparecer o Jack Nicholson esgroviado como no Shining.

14. Não sou fã de conduzir porque me obriga a ter a mente centrada na estrada e no que está à minha volta… e a minha mente está sempre noutro lado. Além do mais gosto de ver as vistas e a conduzir não posso.

15. O pior livro que li até hoje dá pelo nome de “O Buzio Mágico” e foi a única vez em que senti que o meu tempo tinha sido irremediavelmente perdido.

16. Sou mais produtiva de manhã. As minhas tardes passam demasiado depressa e, na maioria dos dias, é quando me ando a arrastar de sono.

17. Acredito que votar, mais do que um direito é um dever, e por isso nunca falhei uma eleição.

18. A coisa que mais me custou na maternidade foi habituar-me a ter companhia na casa de banho!

19. A minha comida preferida é lasanha. Sou tipo Garfield, podia comer lasanha a todas as refeições (e deitar-me a dormir no sofá a seguir) que era uma pessoa feliz.

20. Grande parte das más decisões que tomei na vida levaram-me a encontrar o que de melhor e mais precioso tenho agora, por isso acho que não as lamento.

21. Sou a mais nova de 3 irmãos e isso deu-me uma capacidade de argumentação bestial! O que me tem dado muito jeito, convenhamos!

22. A pior coisa que me podem fazer é… mentir. Prefiro de longe uma verdade dura e feia do que uma mentira. Para mim a mentira tem mesmo perna curta porque a verdade sempre me encontra.

E é isto! Estás surpreendida?

Tingir tecidos

Tenho estado numa cruzada. A Mafalda fez-me um pedido que envolve um fecho. Não é um fecho qualquer, é um fecho roxo. Mesmo roxo. O que ela quer é uma mochila com um fecho roxo. É o que dá andar à solta no conto da costura a mexer em tudo!

Precisava de escolher dois tecidos que tivessem algum roxo. O primeiro foi fácil, e de tão fácil que foi acabou por dificultar a escolha do segundo.

O meu ponto de partida foi esta popelina.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Precisava de encontrar um tecido grosso, mais tipo ganga, sarja ou bombazine que ficasse bem neste tecido mas foi difícil, porque, parece que além de mim e da Mafalda (às vezes acho que é só para me fazer a vontade!) mais ninguém é fanático pelo roxo!

E vai daí, depois de muito pensar na solução para este problema lá me ocorreu a solução! Se não há à venda então faz-se! E lá fui eu à caixa das tintas Raposa, que estão sempre esquecidas, e vai de meter mãos à obra para tingir uma bombazine branca e transformá-la em bombazine Roxa.

O processo é mesmo muito fácil, e se o tecido for inicialmente claro, mais fácil é e mais rápido também. Tudo o que precisas fazer é dissolver uma parte da saqueta em água a ferver e juntar sal. A quantidade depende sempre do volume de tecido que se quer tingir. Até aqui tenho-me dado lindamente com este método e com estas tintas. É um processo que gera muita confusão e é preciso paciência para ir limpando os salpicos para não mancharem nada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Os tecidos são metidos no banho depois de bem molhados, para não ficarem manchados, e ficam por lá até terem a cor que se pretende. Convém ir mexendo bem as peças para evitar manchas e garantir que fica tingido de forma uniforme.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Quando estiver com a cor certa tira-se e lava-se em água até o tecido deixar de perder a tinta.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

E foi num instante que cheguei ao roxo certo!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

E agora combina na perfeição!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

E já que estava com as mãos na tinta aproveitar para tingir um body de bebé e mudar-lhe o cor de rosa pálido para algo bem mais colorido! Mas este é outro projecto…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA