Tingir tecidos

Tenho estado numa cruzada. A Mafalda fez-me um pedido que envolve um fecho. Não é um fecho qualquer, é um fecho roxo. Mesmo roxo. O que ela quer é uma mochila com um fecho roxo. É o que dá andar à solta no conto da costura a mexer em tudo!

Precisava de escolher dois tecidos que tivessem algum roxo. O primeiro foi fácil, e de tão fácil que foi acabou por dificultar a escolha do segundo.

O meu ponto de partida foi esta popelina.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Precisava de encontrar um tecido grosso, mais tipo ganga, sarja ou bombazine que ficasse bem neste tecido mas foi difícil, porque, parece que além de mim e da Mafalda (às vezes acho que é só para me fazer a vontade!) mais ninguém é fanático pelo roxo!

E vai daí, depois de muito pensar na solução para este problema lá me ocorreu a solução! Se não há à venda então faz-se! E lá fui eu à caixa das tintas Raposa, que estão sempre esquecidas, e vai de meter mãos à obra para tingir uma bombazine branca e transformá-la em bombazine Roxa.

O processo é mesmo muito fácil, e se o tecido for inicialmente claro, mais fácil é e mais rápido também. Tudo o que precisas fazer é dissolver uma parte da saqueta em água a ferver e juntar sal. A quantidade depende sempre do volume de tecido que se quer tingir. Até aqui tenho-me dado lindamente com este método e com estas tintas. É um processo que gera muita confusão e é preciso paciência para ir limpando os salpicos para não mancharem nada.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Os tecidos são metidos no banho depois de bem molhados, para não ficarem manchados, e ficam por lá até terem a cor que se pretende. Convém ir mexendo bem as peças para evitar manchas e garantir que fica tingido de forma uniforme.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Quando estiver com a cor certa tira-se e lava-se em água até o tecido deixar de perder a tinta.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

E foi num instante que cheguei ao roxo certo!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

E agora combina na perfeição!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

E já que estava com as mãos na tinta aproveitar para tingir um body de bebé e mudar-lhe o cor de rosa pálido para algo bem mais colorido! Mas este é outro projecto…

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Nós na cozinha

Eu gosto do mês de Agosto. É provavelmente o meu mês preferido porque já fui de férias, já descontraí, já fui à praia e à piscina, já brinquei com as miúdas e matei as saudades todas. É claro que se pudesse continuar de férias continuava mas, como o trabalho não espera, o regresso é obrigatório e, podendo eu escolher, escolho trabalhar no mês de Agosto.

Lisboa está vazia de carros e trânsito e cheia de gente que fala outras línguas que não o português, por isso é como estar numa cidade diferente. Não preciso de andar em stress com as horas, chego sempre a tempo ao trabalho, tão a tempo que consigo sair mais cedo do que o normal e chegar a casa mais cedo, o que me dá muito mais tempo para estar com elas.

Ontem a Mafalda quis fazer pão, e pão foi o que nós fizemos!

  OLYMPUS DIGITAL CAMERA

Tinha uns pacotes de mistura para pão de queijo, aparentemente um produto brasileiro, que me apresso a explicar que nos foi oferecido no supermercado, e assim que a Mafalda percebeu que aquilo servia para fazer pão não descansou enquanto não pôs, literalmente, as mãos na massa. Mais uma coisa em que sai a mim, adoro amassar massas, sejam elas de pão ou de bolachas.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A Teresa não estava muito interessada até perceber que a tarefa ia demorar e que mais valia juntar-se a nós. Vai daí e foi para ao pé da irmã que lhe deu uma bolinha de massa para amassar. Claro está que a Teresa resolveu amassá-la com os dentes, mas também está bem!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

A cada dia que passa elas estão mais próximas uma da outra e é tão bom vê-las interagir uma com a outra. Agora estou a viver com a Teresa o que já vivi com a Mafalda, que é este deslumbre de poder fazer coisas com ela, de tê-la a participar em partes da minha rotina e não ser só eu a participar na rotina dela. Por outras palavras: é bom tê-la a fazer coisas de crescidos e não estar sempre eu a fazer coisas de bebés. Mas por outro lado sei que daqui por mais uns meses, quando ela perder o que ainda lhe resta de bebé, vou ficar com o meu coração pequenino de tanta saudade…

E é tão engraçado ver o quão diferentes elas são! A Teresa parece ser mais prática e descomplicada do que a Mafalda, mas é só um palpite meu baseado na forma como ela descomplica as palavras que não consegue dizer. Por exemplo, A Mafalda com a mesma idade que a Teresa tem agora dizia Cucuta quando se referia a uma tartaruga. Já a Teresa diz simplesmente Cuga. Como é de esperar a Teresa já fala muito mais do que a Mafalda falava com a mesma idade, mas também tem muito mais estímulo com a irmã e os primos.

É muito menos insegura do que a Mafalda, mas em compensação é mais carente de mimos e contacto físico e muito menos aventureira e destemida. É cautelosa e não faz nada sem pensar bem, nem mesmo provar um alimento novo. É preciso convencê-la bem convencida. Adora animais e desses nenhum lhe mete medo, já a Mafalda tem medo de tudo o que se mexa à volta dela.

Têm as duas pavor de àgua na cara e continua a ser um grande desafio lavar-lhes o cabelo e claro, são as duas doidas por chocolate, mas nisso têm bem a quem sair!

Brincar com as minhas filhas

Gosto dos dias de praia em que o tempo nos deixa brincar na areia sem torrarmos com o calor. Gosto de brincar com elas e com os baldes e as pás e demais brinquedos. Gosto que elas gostem de me ter ali a brincar com elas. Gosto de fazer castelos na areia. Elas também gostam.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

OLYMPUS DIGITAL CAMERA

E agora a parte divertida! Desmanchar o castelo! Garanto que estão mais do que aptas para bater recordes olímpicos!

OLYMPUS DIGITAL CAMERA