Girafa de Crochet

Em 2015 fiz a primeira girafa de crochet. Era para ser oferecida juntamente com a manta que fiz para um primo que nasceu em Abril desse ano mas… a Teresa apanhou-a e não a largou mais. De tal forma que desisti de a fazer desistir da ideia e comecei outra… Que só acabei no final do ano passado, mesmo a tempo de ser oferecida no natal a esse mesmo primo! Podia ser pior mas consegui acabar antes dele fazer 18 anos! É uma vitória!

* *

Chamámos-lhe Manu, e embora tenha sido feita a partir do mesmo esquema, ficou bastante diferente da Maria, a primeira.

A magia de fazer bonecos é esta, cada um nasce com a sua própria personalidade! E a girafa Manu nasceu mais comprida de pernas e pescoço, e é um bocadinho pitosga, por isso tem uns olhos pequeninos 🙂 Mas é um amor!

* *

 Também lhe tirei duas cores e deixei-a só com as cores que usei na manta.

O esquema que usei é este e é muito simples de fazer.

E ao vê-las juntinhas dá vontade de fazer mais umas quantas!

Meat Free Monday #5

E quase sem darmos por isso já conseguimos fazer 5 refeições sem carne, sem peixe!

A proposta de hoje é um arroz com legumes. É fácil de fazer e muito rápido (é quase batota!), o que é meio caminho andado para o sucesso.

Desta vez aproveitei para testar a reação delas à abóbora mas, pelo sim pelo não, juntei também cenoura. Há quem defenda que não se deve juntar as duas na mesma refeição (ou na sopa), e normalmente eu não junto. Mas como queria ver se elas aceitavam bem o sabor, acabei por misturar alguma cenoura, não fosse o diabo tecê-las.

Este arroz leva couve flor mas nem se nota que ela lá está, o que é uma óptima forma de esconder mais um legume, especialmente quando é um legume com pouca aceitação. E a verdade é que ninguém deu por ela, mas comeram com muita satisfação.

Arroz de abóbora e grão

Arroz de abóbora e grão

Ingredients

  • - Arroz agulha (em função do nº de pessoas)
  • - 1/4 couve flor picada
  • - 1/4 couve lombarda cortado em tiras
  • - 1 lata grande de grão
  • - 1/2 abóbora butternut cortada em cubos (ou 2 cenouras grandes)
  • - 1 cebola grande picada
  • - 3 colheres de sopa de azeite
  • - 1 copo de vinho branco
  • - água q.b. cozer o arroz
  • - sal

Instructions

  1. Refogar a cebola no azeite e quando estiver translucida juntar a couve flor, o lombardo e as cenouras.
  2. Deixar suar 3 minutos e juntar o vinho. Deixar ferver 3 minutos.
  3. Juntar a abóbora, a água e temperar com sal.
  4. Quando ferver juntar o arroz e deixar cozer. Quando estiver quase pronto juntar o grão e envolver.
http://meiasmarias.com/pt/receitas/meat-free-monday-5/

Para meu grande espanto elas comeram a abóbora sem estranhar nada. Mas a verdade é que a abóbora butternut tem um sabor muito suave e é bastante agradável de comer assim (sem ser em sopa!).

As mais crescidas comeram bastante bem, embora a Teresa desista de comer os grãos a meio da refeição – 2 votos a favor.

Eu adorei! E ainda me fascina a sensação de ficar satisfeita sem me sentir pesada!  1 voto a favor

O pai da casa comeu bem e sem grandes hesitações! 1 voto a favor

A Sofia comeu bem, mas tive de fazer um puré com o grão e com a abóbora e envolver no arroz (estava malandrinho por isso envolveu bem o puré), mas em compensação comeu o lombardo sem reclamações – 1 voto a favor

* *

Ao fim de 5 refeições testadas parece-se que só os legumes gratinados tiveram uma fraca aceitação na maioria das crianças, por isso fica em suspenso e volto a tentar lá mais para Setembro. As outras vão integrar as nossas ementas mensais, o que significa que, há medida que vai havendo mais repetições de receitas há menos artigos no blog sobre receitas novas.

Este foi o mês de arranque e correu muito melhor do que podia esperar. Vou continuar a experimentar novas receitas mas não há razão para não repetir as que correram tão bem, verdade?

Sophie’s Universe #3

A segunda parte também já está ☺ E com uma aprendizagem de valor: o ponto de caranguejo ou ponto baixo invertido. Um dos meus preferidos de sempre. Adoro o resultado e a forma como remata uma carreira de forma tão simples.

* *

Esta segunda parte é cheia de texturas, de pontos trabalhados pela frente e de pipocas.

* *

As mudanças de cor tornam o processo mais entusiasmante e estou sempre deserta de terminar uma carreira para ver como fica a carreira seguinte ☺

* *

Venha a 3ª parte!

Meat Free Monday #4

Desta vez experimentamos “Ratatouille”, que é uma forma bonita de dizer um estufadinho de legumes! Acompanhado de arroz branco e com um ovo escalfado. Perfeito para dias de inverno: é quente e aconchega bem.

A receita é fácil de fazer, os legumes podem ser a gosto, e no que respeita ao tempo que demora, satisfaz o critério de não ser demasiado demorado e de não precisar de demasiada atenção, embora não saia do tacho em 15 minutos.

Esta receita faz uma boa quantidade de Ratatouille, o que te permite fazer duas refeições distintas. Podes usar o que sobrar como acompanhamento de outro prato ou comê-lo a acompanhar uma polenta, é delicioso!

Ratatouille com ovo escalfado

Ratatouille com ovo escalfado

Ingredients

  • - 2 cebolas médias picadas
  • - 2 dentes de alho picado
  • - 1 folha de louro
  • - 1 lata pequena de tomate pelado
  • - 3 colheres de sopa de polpa de tomate
  • - 2 batatas doces
  • - 1 beringela
  • - 1 lata grande de feijão (eu usei feijão encarnado)
  • - 1 lata de cogumelos (podem ser frescos)
  • - 2 chávenas de feijão redondo congelado
  • - 2 cenouras grandes
  • - 3 colheres de sopa de azeite
  • - 1 ovo para cada pessoa
  • - sal, pimenta e oregãos a gosto

Instructions

  1. Refogar as cebolas e o alho no azeite com a folha de louro, 5 a 7 minutos.
  2. Juntar as cenouras e as batatas cortadas em cubos e deixar suar 3 minutos.
  3. Juntar o tomate pelado partido em cubos e a polpa de tomate e deixar ferver 2 minutos.
  4. Juntar os feijões verdes congelados e a beringela e adicionar água até cobrir os legumes. Temperar com sal e pimenta.
  5. Quando as batatas estiverem quase cozidas juntar os cogumelos e os feijões.
  6. Temperar a gosto com oregãos.
  7. Escalfar os ovos no caldo (ou em água) e servir com arroz.
http://meiasmarias.com/pt/receitas/meat-free-monday-4/

Eu escalfei os ovos num tacho à parte, porque como ia sobrar preferi ficar com o caldo “livre” de restos de ovo. Mas podes perfeitamente escalfar os ovos directamente no tacho do ratatouille.

Eu gostei imenso. É uma espécie de comida de conforto: aquece e aconchega, sem ser pesada – 1 voto a favor

As miúdas maiores gostaram imenso dos ovos e da batata doce estufada. Os feijões verdes nem tanto mas não o suficiente para rejeitarem o prato por completo. Comeram bastante bem – 2 votos a favor

Para o pai da casa o ovo e os feijões fizeram-no esquecer que não havia nem carne nem peixe – 1 voto a favor

Já a Sofia… apesar do arroz a coisa custou a descer, mas mais por birra do que por outra coisa. Foi um dia em que ela veio muito cansada da escola e estava mais birrenta que o normal. Por isso pôs defeitos no ovo, nas cenouras, nos feijões, nos cogumelos… é 1 voto contra.

* *

Mas em termos globais é para repetir.

Manta de Apego em Crochet

Sabes que adoro crochet mas a verdade é que nem sempre gosto de coisas feitas em crochet. As mantas de apego são um bom exemplo disso, uma boa parte delas parecem saídas das mãos de uma tia avó e simplesmente não faz o meu estilo.

Até ao dia em que tropecei num esquema, que está simplificado aqui mas que não é a versão “original” e me apaixonei 🙂

O que esta tem de diferente é ser trabalhada em estrela e permitir um remate sóbrio, e um equilíbrio das cores que permite obter um visual tradicional mas ainda assim moderno.

* *

Se calhar é por isso que já fiz 3 diferentes, e parece-me que é coisa para fazer mais vezes.

* *

Também é um projecto versátil porque permite usar uma cabeça de um boneco amigurimi, é só escolher que animal se quer utilizar.

* *

Esta foi um presente de natal para uma bebé da família e apeteceu-me uma ovelha, porque todos os bebés têm de ter uma ovelha fofinha e meiga.

* *

 E ainda tem mais um ponto a favor que é o ser um projecto muito fácil e rápido de fazer, o que o torna uma prenda perfeita que se faz, à vontade, num fim de semana.

Apetece agarrar, não apetece?

Fada dos dentes

O primeiro filho é um privilegiado. Quando caiu o primeiro dente da Mafalda estava tudo pronto! A fada dos dentes, o cartão de registo, tudo!

A Teresa perdeu o primeiro dente em Agosto, no dia 7. Lembro-me porque foi no dia a seguir à festa de anos da Sofia e foi traumatizante! Ela chorou horrores. O dente esteve literalmente preso por um fio durante meses, tantos, que quando caiu nem deitou sangue. Simplesmente caiu.

Ela horrorizada com o dente na mão. Eu à espera de ver uma boca ensanguentada que justificasse tamanho susto. Nada.

Só mesmo o horror dela de ficar sem dente. E de certeza aquela sensação do principio do fim. Agora estás mesmo a crescer, disse-lhe eu. Já não podes ficar bebé. Estás a crescer mesmo a tempo de ires para a escola.

E ela chorava. E eu também mas por dentro. Porque ela está a crescer muito depressa e a sair dos meus braços com toda a confiança, porque não estava nada pronto, nem fada dos dentes, nem cartão, nem dinheiro nem nada.

E eu a chorar porque com a primeira tinha tudo pronto, fui a mãe perfeita, e com a segunda nada… Miserável mãe.

Vencida a angústia e aproveitando as férias lá arranjei alento para lhe fazer a fada.

* *

A ideia era fazer qualquer coisa ao estilo dos bonecos Waldorf e o corpo foi traçado a olho no papel, por isso ficou pouco proporcional, o que lhe dá toda a graça e personalidade.

* *

Esteve para ter uma farta cabeleira preta, mas como os bonecos têm vida e vontade própria, não gostou nada e obrigou-me a refazer tudo. Ruiva seria esta fada, com toda a convicção.

* *

Simpática como só ela! Todas as fadas dos dentes são simpáticas, segredou-me ao ouvido.

* *

E um vestido cheio de folhos e a condizer com o seu cabelo.

* *

E lá foram as duas, fazer coisas de fadas, enquanto esperam pelos próximos dentes 🙂

 * *

Mais sobre a primeira fada aqui.

E se quiseres um cartão para anotares os dentes de leite (nascidos ou caídos) está aqui.

Meat Free Monday #3

Mais uma semana em que conseguir cumprir o desafio. Esta semana com menos sucesso que nas anteriores, mas ainda assim considero que com calma e persistência vou conseguir cumprir o meu objectivo, e aos poucos elas vão acabar por se habituar aos legumes.

A receita desta semana é legumes gratinados e o seu pouco sucesso deve-se ao facto dos legumes não estarem escondidos nem disfarçados. De qualquer forma não usei nenhum legume que não fizesse já parte da nossa alimentação, mas geralmente está na sopa e não no prato.

Eu pessoalmente adorei. E para mim é para repetir. Vamos lá à receita:

Legumes gratinados

Prep Time: 15 minutes

Cook Time: 25 minutes

Total Time: 40 minutes

Legumes gratinados

Ingredients

  • - 2 cebolas médias
  • - 2 dentes de alho
  • - 2 cenouras
  • - 4 batatas médias
  • - 1 batata doce grande
  • - 1 beringela
  • - 1 courgete
  • - 1/2 cabeça de brócolos
  • - 2 chávenas de ervilhas
  • - 2 colheres de sopa de amido de milho (Maisena)
  • - 600 ml de leite
  • - 1 copo de vinho branco
  • - Sal, pimenta e noz moscada a gosto
  • - 3 colheres de sopa de azeite

Instructions

  1. Picar a cebola e os alhos e refogar no azeite.
  2. Cortar as batatas em cubos e coser à parte (pode ser no microondas só para entalar)
  3. Cortar as cenouras e juntar com as ervilhas ao refogado.
  4. Cortar a beringela e a courgete e juntar.
  5. Adicionar o vinho e os temperos e deixar suar tapado por 10 minutos, mexendo de vez em quando. Se necessário juntar água para não secar.
  6. Ao fim dos 10 minutos juntar as batatas e envolver.
  7. Dissolver o amido de milho no leite frio. Juntar ao tacho e deixar ferver até engrossar.
  8. Retificar os temperos e passar para um pirex. Levar ao forno a gratinar.
http://meiasmarias.com/pt/receitas/meat-free-monday-3/

Não é muito complexa de fazer e o que demora mais tempo é descascar e cortar os legumes, por isso é uma receita boa de fazer em dias de caos controlado, mas não é aquela receita que se tira do lume em 15 minutos.

Em termos de avaliação o meu voto é favorável – 1 voto a favor

A Mafalda está a aderir bem a esta ideia e também gostou muito – 1 voto a favor

O marido comeu bem (com as já habituais reclamações de não ter carne nem peixe) – 1 voto a favor

As mais pequenas fizeram uma fita dos diabos para comer – 2 votos contra.

* *

Em termos globais não acho que tenha sido uma má experiência, com o tempo as pequeninas vão acabar por se habituar e deixar de fazer dos legumes um bicho de sete cabeças.

Venha mais uma segunda sem carne!

O que ficou por dizer…

Antes que o ano avance mais tenho de fazer aqui uma pequena pausa virtual.

Com toda a correria dos meus dias escrevi os dois artigos dos anos das miúdas em Novembro, mas nunca os consegui publicar. Também nunca consegui mostrar as fotos dos bolos que fiz para elas!

Por isso é agora!

Já sabes que Novembro é aquele mês em que a minha casa vira pastelaria e eu pastelaria! Este ano a mais velha ajudou-me a simplificar ao não escolher aqueles temas das séries de adolescentes que gosta de ver.

Optámos por uma coisa mais simples e acabei por comprar umas folhas de obreira impressas e decorar os bolos a partir daí. Não deu demasiado trabalho e o resultado ficou igualmente espectacular. Fiz dois bolos muito semelhantes: um para o jantar em casa e um com dois andares para levar para a escola.Ora vê:

* *

* *

* *

* *

Já a Teresa, na sua fase da Patrulha Pata, exigiu um pouco mais de trabalho. A sorte é que também há obreira com estas impressões e assim sendo o trabalho de esculpir bonecos foi dispensado! O bolo da escola foi mesmo como ela queria e em boa verdade não sobrou quase nada! O que é sempre bom 🙂

* *

* *

Mas como este bolo exigiu um bocado mais de tempo o bolo que lhe fiz para o jantar em casa foi muito mais simples. Na verdade foi um bolo de bolacha (que elas adoram) decorado só com umas obreiras com as personagens:

* *

* *

Mas como ainda tiveram uma festa com a família e os amiguinhos da escola, ainda fiz mais dois bolos. O da Mafalda tem obrigatoriamente de ter  vários andares 🙂 e ela escolheu esta obreira com mochos, como os desenhos têm muita cor (e eu pouco tempo!) complementei a decoração com m&m’s. O candelabro das velas comprei na Tigger e foi mesmo à conta porque dava para 9 velas 🙂 Ela adorou!

* *

* *

* *

Já a Teresa persistiu com a Patrulha Pata, mas teve de ser numa versão simplificada:

* *

* *

Agora bolos só para Agosto!

Se quiseres ler os meus memoriais de aniversário estão aqui: Mafalda e Teresa

Meat Free Monday #2

O teste da semana passada tinha intenções de ser um Chilly mas o resultado final ficou uma bolonhesa. De lentilhas.

Isso, lentilhas. Se correu bem?

Sim, as lentilhas correram bem. Não é coisa que fizesse parte activa da nossa alimentação, mas no final do ano passado já as tinha introduzido em sopa com resultados muito positivos (mesmo para a que detesta sopa). Arrisquei um bocadinho ao fazer das lentilhas a estrela da refeição mas tinha mesmo de ser feito o teste.

A receita de partida era bem simples mas levava pimentos, e por cá é coisa que ninguém aprecia, em alternativa juntei cenoura e por isso acabou por ficar reduzida a uma bolonhesa, o que resultou muito bem por cima de arroz branco.

A receita que acabei por fazer é a seguinte:

Bolonhesa de Lentilhas

Bolonhesa de Lentilhas

Ingredients

  • -- 1 cebola grande
  • -- 1 cenoura grande
  • -- 1 lata grande de tomate pelado
  • -- 3 colheres de sopa de azeite
  • -- 2 dentes de alho
  • -- 1 folha de louro
  • -- 250gr de lentilhas secas (para 6 pessoas)
  • -- 1 copo de vinho branco
  • -- 600ml de água
  • -- Sal e pimenta q.b.

Instructions

  1. No tacho:
  2. Refogar a cebola picada com o azeite, o alho e a folha de louro (5 minutos). Juntar a cenoura e o tomate cortados em bocados e o vinho, mexer e deixar refogar (5 minutos).
  3. Juntar as lentilhas e 600ml de água e temperar com sal e pimenta. Deixar ferver até as lentilhas estarem tenras (30-40minutos).
  4. Retirar 1/3 do preparado e passar na varinha mágica para obter um puré. Juntar este puré novamente ao tacho, mexer e servir.
  5. Na bimby:
  6. Colocar no copa a cebola, os alhos e o azeite - 5s vel 5.
  7. Colocar a cenoura e o tomate - 3s vel5
  8. Com a espátula empurrar o que está agarrado ao copo. 5m vel1 TVaroma
  9. Juntar o vinho. 3 m vel1 TVaroma
  10. Juntar a água, o sal, a pimenta, o louro e as lentilhas. 30m vel1 T100ºC
  11. Aumentar o tempo se for necessário e até as lentilhas ficarem tenras.
  12. Retirar 2/3 do preparado para um recipiente. Passar o restante 1m Vel 5 a 7. Juntar o puré às lentilhas, mexer e servir.
  13. Acompanha com arroz branco e um salpico de queijo parmesão.

Notes

A quantidade de água e o tempo de cozedura das lentilhas poderão ter de ser ajustadas.

http://meiasmarias.com/pt/receitas/meat-free-monday-2/

E quanto a resultados:

A miúda do meio que é esquisita como tudo ADOROU – 1 voto a favor (devia valer por 2!).

Eu gostei bastante, especialmente da sensação de estar cheia e sem fome sem me sentir enfartada – 1 voto a favor.

A miúda maior gostou também muito – 1 voto a favor.

A miúda mais pequena não estranhou, comeu bem, e só no fim é que deu conta das lentilhas. Disse-lhe que eram smarties e catou as lentilhas do prato para a boca sem estranhar nem regeitar o sabor e a consistencia, o que me parece fortemente positivo –  1 voto a favor.

O marido comeu, disse que sabia a feijão com arroz, mas continua a sentir a falta da carne ou do peixe – 1 voto neutro.

Em termos globais a receita é fácil de fazer, e dá para adaptar para a bimby, o que facilita o processo. É um pouco mais demorada já que as lentilhas têm de cozer, mas como não precisa de grande assistência não obriga a estar sempre de olho no fogão.

* *

É super económica e por isso é uma receita que se irá repetir por cá mais vezes. Ainda com a vantagem de poder ser feito a mais, congelar e comer aquecido noutro dia.

É uma receita vencedora!

E tu? Vais experimentar?

Sophie’s Universe #1 e 2

É altura de te mostrar os progressos feitos na manta Sophie’s Universe.

Podes reler o início desta minha paixão aqui

* *

Esta é a primeira parte terminada. Até aqui nada de novo mas é bom ver que esta manta cresce a bom ritmo! Parece um naperon de mesa

* *

Fácil e rápido de fazer e este algodão Drops é um sonho!

Seguindo para a parte 2!